Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/88843
Title: Rastros do Auto Medieval e Vicentino no Teatro do Nordeste Brasileiro
Authors: Silva, Rosângela Divina Santos Moraes da
Orientador: Bernardes, José Augusto Cardoso
Turchi, Maria Zaira
Keywords: Tradição; Renovação; Auto; Popular; Nordeste; Brasileiro; Tradition; Renovation; Northeast; Brazilian
Issue Date: 31-Jan-2020
Project: SFRH/BD/4864/2008 
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Esta tese visa ao estudo da Tradição dramática do auto no sentido de evidenciar os seus rastros formais, semânticos e imaginários no Teatro Popular do Nordeste Brasileiro, sobretudo os entrevistos nas produções pernambucanas dos séculos XX e XXI, tendo como fontes primordiais os teatros medieval e vicentino, bem como as variações dos espetáculos populares nordestinos: o Reisado (Pastoril ou Folia), o Bumba-meu-boi, o Mamulengo e o Fandango. De início, discorremos sobre a Tradição Literária na sua relação direta com a renovação formal. Nesse contexto, Tradição e Renovação são entendidas como a dupla face de uma mesma prática cultural e artística em que os caracteres literários dinamizam-se e alteram-se, dando lugar à criação de obras novas que podem se aproximar dos modelos tradicionais ou afastarem-se deles. Nessa perspectiva de abordagem, revisitam-se e discutem-se brevemente as teorias da influência propostas por T.S.Eliot e Harold Bloom, as do intertexto e da paródia com base em Michel Bakhtin, Gérard Genette, Júlia Kristeva e Linda Huetchon. Partindo desses pressupostos fundamentais, o auto é tomado como referência básica de uma Tradição dramática que se foi renovando desde a Idade Média até chegar à Contemporaneidade. Por se tratar de um termo amplo e muito genérico, o auto é apresentado primeiramente pelos vários conceitos que lhe foram atribuídos ao longo do tempo. A seguir, partindo do método histórico-descritivo, o Teatro Medieval é estudado em suas diferentes fases: litúrgica, semi-litúrgica e profana, com especial atenção para a aparição dos mistérios, milagres, moralidades, farsas e sotties. Em continuidade ao histórico-cultural da Tradição dramática europeia, Gil Vicente é apresentado com o fim de mostrar as matrizes compulsadas na produção da Copilaçam de todalas obras, que são retomadas de maneira mediata e esparsa por alguns escritores nordestinos. À luz ainda do mesmo procedimento metodológico, o foco passa à história cultural do Nordeste –primeira região a dar expressividade às primeiras e incipientes manifestações da Literatura dramática do Brasil em que o auto torna-se o gênero mais recorrente do Teatro de Catequese, desenvolvido a partir do século XVI, em terreno brasileiro. Desse período, são relacionadas todas as peças de que se tem notícias, com ênfase nas de Pe. José de Anchieta. Segue ainda, uma descrição de fundamentação histórico-literária do Teatro brasileiro no intuito de demonstrar, de modo breve, os processos de evolução e de retração das produções de autos nacionais, desde o surgimento do gênero em 1500 até os espetáculos do século XXI. Além disso, foi realizado um estudo da origem e dos processos de renovação literária, religiosa e cultural do auto como modelo transculturado naquelas quatro formas espetaculares nordestinas mencionadas, destacando o Bumba-meu-boi. Dos séculos XX e XXI, fizemos um levantamento, por região, dos possíveis exemplares existentes no país. Foram coligidos mais de 150 autos a partir de dados coletados em material disponibilizado em acervos de bibliotecas universitárias, de fundações, de associações e bibliografias diversas. Quatro quadros específicos constituíram esse inventário, no qual o Nordeste tem maior destaque. Embora passado séculos, a região continua a ser o locus amenus da Tradição do auto. Em consequência dessa relevância, o corpus para o estudo crítico-hermenêutico compõe-se de quinze obras nordestinas: o Auto da Mula-de-Padre, 2. O Bom Samaritano e 3. Donzela Joana, de Hermilo Borba Filho; 4.Auto da Compadecida e 5. A Pena e a Lei, de Ariano Suassuna; 6. Morte e Vida Severina: auto de natal pernambucano, de João Cabral de Melo Neto, 7. Auto das Portas do Céu, de Ronaldo Brito, Assis Lima e Everardo Norões; 8. Auto da Gamela, de Carlos Jehovah e Esechias Araújo Lima; 9. Jesus de Natal, de Moacy Cirne; 10. O Bonequeiro Vitalino (ou nada é impossível aos olhos de Deus e das crianças), de Jurema Penna; 11. Auto da Lapinha Mágica, de Luiz Gutemberg; 12. Auto de Maria Mestra, de Altimar Pimentel; 13. Auto de Natal, de Clotilde Tavares; 14. Auto da Virgem, de Maria Natividade Cortez; 15. Auto de Santo Antônio, de Benjamim Santos. Nesse conjunto textual, percebe-se a presença da Tradição do auto no que se refere à retomada dos grandes gêneros medievais, de temáticas ligadas ao ciclo da Páscoa e do Natal, de reconfigurações de personagens-tipo e alegóricas, da carnavalização, da processionalidade das cenas, além da adoção da alegoria, da sátira, do lirismo e de subgêneros: cômico, farsesco, burlesco e grotesco.
This thesis aims to study the Tradition dramatic of auto to evidence the formal, semantic and imaginary “rastros” in the Brazilian Northeast Popular Theater, mainly the surveyed in “pernambucanas” productions in 20th and 21st centuries, having like “priomordial” sources medieval and “vincentino” theaters, as well as variations of the popular northeastern shows: the Reisado, Bumba-meu-boi, Mamulengo and Fandango. In the beginning, we talk about Literary Tradition in its direct relationships with the formal renovation. In this context, Tradition and Renovation are understood as double face of the same cultural and artistic practice, in which literary characters invigorate and change, giving place to a creation of new works that can approach to traditional models or put away from them. In this approach perspective, the revisit and discuss about theories of influence proposed by T.S.Eliot and Harold Bloom, those of the intertext and the parody based on Michel Bakhtin, Gérard Genette, Júlia Kristeva and Linda Huetchon. Based on these fundamental assumptions, the auto is the basic reference of a dramatic tradition that has been renovating since Middle Ages until arrived Contemporaneity. To be treated about a wide and very generic term, the auto is presented first by various concepts that were attributed over time. Next, starting from historic-descriptive method, the Medieval Theater is studying in its different phases: liturgical, half-liturgical and profane, with a special attention to apparition of mysteries, miracles, moralities, farces and sotties. In continuity to historical-cultural dramatic european Tradition, Gil Vicente is presented with the aim of showing the sources used in the production of Copilaçam de todalas obras, which are recovered indirectly and sparingly by some northeastern writers. Based in that methodological procedure, the focus passes to a Northeast cultural history – the first region that gives expresivity to the first and incipient manifestations of dramatic Literature in Brazil, where the Auto became the most recurrent gender of Catechism Theather developed since 16 th century, in Brazilian land. That period, are related all plays that are reported, with emphasis in Pe. José de Anchieta plays. Still follows, on historical-literary origin of the Brazilian theater in order to demonstrate in a brief manner, the processes of evolution and retraction of the national productions of autos since the arise of gender in 1500 until the shows the 21st century. Besides that, we do a study of the originand the renovation religious and cultural processes of the auto to take na example of tranculturation in those four forms of northeastem presentations, standing out Bumba-meu-boi. Form the 20th and 21st centuries, we did a collect by region, of the possible copies that existed in our country. We collected more than 150 autos from the data of available material in collection of university libraries, foundations, associations and various bibliographies. Four specific frames built this list in which the Northeast has more emphasis. Though centuries passed, the region continues being the locus amenus of the auto Tradition. In consequence of this relevance, the corpus critical-hermeneutical study is composed by fifteen northeastern works: 1. Auto da Mula-de-Padre, 2. O Bom Samaritano e 3. Donzela Joana, de Hermilo Borba Filho; 4.Auto da Compadecida e 5. A Pena e a Lei, de Ariano Suassuna; 6. Morte e Vida Severina: auto de natal pernambucano, de João Cabral de Melo Neto, 7. Auto das Portas do Céu, de Ronaldo Brito, Assis Lima e Everardo Norões; 8. Auto da Gamela, de Carlos Jehovah e Esechias Araújo Lima; 9. Jesus de Natal, de Moacy Cirne; 10. O Bonequeiro Vitalino (ou nada é impossível aos olhos de Deus e das crianças), de Jurema Penna; 11. Auto da Lapinha Mágica, de Luiz Gutemberg; 12. Auto de Maria Mestra, de Altimar Pimentel; 13. Auto de Natal, de Clotilde Tavares; 14. Auto da Virgem, de Maria Natividade Cortez; 15. Auto de Santo Antônio, de Benjamim Santos. In this textual group, we perceive the presence of the auto Tradition in that motivate us to resumed the great medieval gendrs of the thematics linked to the cicle of the Easter and christmas, of type characters and allegoricals configurations, of carnavalization, the processionality of scenes besides of the adoption of allegory and of subgender: comics, farcical, burlesque and grotesque.
Description: Tese no âmbito do Doutoramento em Literatura de Língua Portuguesa e apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/88843
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Português - Teses de Doutoramento
UC - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Rastros Do Auto Medieval E Vicentino No Teatro Do Nordeste Brasileiro.pdf3.32 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

150
checked on Jun 8, 2021

Download(s)

826
checked on Jun 8, 2021

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons