Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/82973
Title: Contributo para o conhecimento e valorização do património florístico da Quinta Villar d´Allen
Authors: Mendonça, Patrícia Miguel Hilário de 
Orientador: Coutinho, António Xavier de Barros e Cunha Pereira
Graça, Manuel de Sampayo Pimentel Azevedo
Keywords: Porto; Século XIX; Quintas de recreio; Villar d' Allen; Biodiversidade; Oporto; 19thcentury; Recreational Estates; Villar d’Allen; Biodiversity
Issue Date: 24-Feb-2017
Serial title, monograph or event: Contributo para o conhecimento e valorização do património florístico da Quinta Villar d´Allen
Place of publication or event: DCV, CEF e Quinta Villar d´Allen, Porto
Abstract: O século XIX foi um período importante da história do Porto: as Invasões francesas, a revolução de 1820, o Cerco do Porto e o difícil processo de instauração do Liberalismo que levou o país a uma guerra civil de quase duas décadas. O Porto envolveu-se activamente em todos estes acontecimentos. A vitória da causa liberal proporcionou a afirmação da burguesia capitalista que foi responsável pelo grande desenvolvimento urbanístico e económico que ocorreu na cidade na segunda metade do século XIX, a cidade aburguesou-se também nos gostos e modos de ser.Este período coincidiu igualmente com a difusão dos ideais românticos entre a burguesia e a aristocracia, que se manifestou no conhecimento e gosto pelo cultivo de plantas, reflectindo-se na proliferação de quintas de recreio e jardins, privados e públicos; estes últimos com uma dupla função: a do gosto estrangeirado pelo passeio público e a de mitigação dos problemas sanitários causados pela industrialização e aumento populacional. A Quinta Villar d’ Allen, uma das sobreviventes quintas de recreio, foi fundada em 1839 por João Allen, ampliada e completada por Alfredo Allen. O primeiro foi um comerciante de longo curso, associado principalmente ao negócio de vinhos do Porto; tinha origem inglesa e era membro da prestigiada e influente comunidade inglesa; participou na organização das instituições de cariz económico-financeiro que promoveram o desenvolvimento do Porto no pós-guerra; amante da arte e da cultura; foi coleccionador e fundador do primeiro museu privado em Portugal. Iniciou em Villar d’ Allen a colecção de camélias, que hoje constituem o ex-libris da quinta. Este trabalho pretendeu contribuir para o conhecimento do património florístico de Villar d´ Allen contextualizando a origem da quinta no período oitocentista da história do Porto. Foram identificados 219 espécimes de plantas vasculares, distribuídos por 86 famílias e 162 géneros. Concluindo-se que para além do inegável valor histórico e cultural, Villar d’ Allen, um espaço de “resistência” e fiel depositário da memória e identidade da cidade do Porto e sua gente, possui um imenso património natural, merecedor de estudos mais aprofundados.
The 19th century was a very important period in Oporto’s history: the French Invasions, the 1820 revolution, the siege of the city and the difficult process of the Liberalism setting which drove the country on an almost two decade long civil war. Oporto was an active participant in all of these events. The victory of the liberal cause helped the affirmation of the capitalist bourgeoisie who was responsible for the big urbanistic and economic development of the second half of the19th century, the city also gentrified itself in its ways and flavors.This period coincided with the spread of the romantic ideals amongst the bourgeoisie and aristocracy, which manifested itself by the growing number of recreational estates and gardens, both private and public, being that the latter also served the foreign habits of public strolling and the mitigation of public health problems caused by the industrialization of the city, and population growth.Quinta Villar d’Allen, one of the surviving recreational estates, was founded by João Allen, gown and completed by Alfredo Allen. João was a business man, mainly connected with the Port wine business; was of British origin and a member of the prestigious and very influential British community; was part of the creation of several economic-financial institutions, which were essential for the development of a post war Oporto; a lover of the arts and culture, was a collector and founder of the first private museum in Portugal. In Villar d’Allen he started a camellia collection which are now the estate’s ex-libris. The main purpose of this study was to give knowledge of the floristic heritage of Villar d’Allen, put in context with its origin in a 19th century Oporto. There were 219 vascular plants’ specimens identified, spread along 86 families and 162 genus. Providing that more to undeniable historic and cultural value, Villar d’Allen can be seen as a place of résistance, a faithful keeper of the memory and the identity of Oporto city and its people, possessing a vast natural patrimony, deserving of more and deeper studies.
Description: Dissertação de Mestrado em Biodiversidade e Biotecnologia Vegetal apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10316/82973
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Mendonça 2017.pdf11.01 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

423
checked on Aug 13, 2020

Download(s) 50

636
checked on Aug 13, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons