Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/82015
Title: DISFUNÇÕES OVULATÓRIAS NA ATLETA DE ALTA COMPETIÇÃO
Other Titles: OVULATORY DYSFUNCTION IN ATHLETES
Authors: Santos, Ana Filipa Alves 
Orientador: Dias, Maria Margarida Oliveira Figueiredo
Campos, Sara Catarina Felício Teixeira
Keywords: disfunções ovulatórias; tríade mulher atleta; amenorreia; female athlete triad; athletic amenorrhea; osteoporosis
Issue Date: 4-Jun-2018
Serial title, monograph or event: DISFUNÇÕES OVULATÓRIAS NA ATLETA DE ALTA COMPETIÇÃO
Place of publication or event: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Abstract: A disfunção ovulatória nas atletas de alta competição tem vindo a tornar-se cada vez mais prevalente, assim como as consequências a ela associadas. A tríade da mulher atleta conjuga a disfunção ovulatória a uma baixa densidade mineral óssea e um défice energético relativo. . O objetivo desta revisão passa pela compreensão da etiologia desta disfunção, os seus agravantes e fatores concomitantes, bem como as consequências e enquadramento clínico. Propõe-se, também, a melhor abordagem diagnóstico e terapêutica para a tríade. Como tal, foram, sistematicamente, selecionados artigos científicos e de revisão. . Conclui-se que a amenorreia hipotalâmica funcional é a disfunção ovulatória típica em atletas de alta competição, que a sua principal consequência é a diminuição da densidade mineral óssea e que, juntamente com um défice energético relativo compõe uma tríade clínica: a tríade da mulher atleta. O tratamento passa, primordialmente pelo restabelecimento do balanço energético e, se necessário, pela reposição hormonal. . São inúmeros e indiscutíveis os benefícios da atividade física, razão pela qual tem apresentando, progressivamente, mais adeptos. Podem ser enumerados: a diminuição do risco cardiovascular, estímulo metabólico, autoestima, estímulo psicossocial, sensação de bem-estar, entre outros. No entanto, a sua prática descontrolada pode culminar num ponto de rotura da homeostasia, tornando-se insustentável para a normal fisiologia corporal, levando a alterações metabólicas, neuro-endócrinas, ginecológicas e mesmo psíquicas. Está descrita uma redução do risco de anovulação, aquando da prática de 30 a 60 minutos diários de exercício leve a moderado, mas um significativo aumento de risco anovulatório em praticantes de exercício de forma extrema, por mais de 60 minutos diários. A representação do sexo feminino nas modalidades desportivas de alta competição tem aumentado significativamente, desde meados do século XX. Com ela, surge também um novo conceito: a “Tríade da Mulher Atleta” (TMA). .O ciclo menstrual (CM) é regulado pelo eixo hipotálamo-hipófise-ovário. O hipotálamo é responsável pela produção do fator de libertação de gonadotrofinas (GnRH), que, por sua vez, estimula a produção das hormonas luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH) pela hipófise. Estas últimas estimulam o ovário a produzir hormonas esteróides de forma sequencial. . Qualquer alteração ao longo do CM poderá resultar numa disfunção ovulatória, culminando em fenómenos anovulatórios, oligo-amenorreia e alteração dos níveis de hormonas esteróides, com possíveis repercussões a nível da saúde ginecológica, óssea e cardiovascular.
The prevalence of ovulatory dysfunctions in athletes as increased as well as its consequences. The approach of ovulatory dysfunctions along with low bone density and relative energy deficiency comes together as Female Athlete Triad. . This revision article main goal is to comprehend the dysfunction, triggers-points and its consequences and to know the best therapeutic method. Consequently were selected scientific and revision articles. . It concludes that the typical dysfunction in female athletes is funcional hypothalamic amenorrhea and its main consequence e low bone density. All together with relative energy deficiency it comes the female athlete thriad. It can be primarily treated with the maintenance of the energetic state and eventually with hormonal replacement.... Low energy availability (from decreased caloric intake, excessive energy expenditure, or both) and stress are common causes of hypogonadotropic hypogonadism in women. Functional hypothalamic amenorrhea (FHA) is the term used to describe amenorrhea that results from such causes and is diagnosed after excluding other etiologies of amenorrhea. The terms functional hypothalamic amenorrhea and hypothalamic amenorrhea (HA) are often used interchangeably.FHA is presumed to be a functional disruption of pulsatile, hypothalamic gonadotropin-releasing hormone (GnRH) secretion. The abnormal GnRH secretion characteristic of FHA leads to decreased pulses of gonadotropins, absent midcycle surges in luteinizing hormone (LH) secretion, absence of normal follicular development, anovulation, and low serum estradiol (E2) concentrations. Variable neuroendocrine patterns of LH secretion can be seen. Serum concentrations of follicle-stimulating hormone (FSH) are low or normal and often exceed those of LH, similar to the pattern in prepubertal girls.
Description: Trabalho Final do Mestrado Integrado em Medicina apresentado à Faculdade de Medicina
URI: http://hdl.handle.net/10316/82015
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
FILIPA pdf.pdf742.77 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

618
checked on Jul 7, 2020

Download(s) 50

527
checked on Jul 7, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons