Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/81612
Title: A Avenida Almeida Ribeiro e o Cotai: Análise experiencial de duas tipologias urbanas em Macau
Other Titles: Avenida Almeida Ribeiro and Cotai: Experiential analysis of two urban typologies in Macao
Authors: Ribeiro, Ines Sofia Mateus 
Orientador: Gil, Bruno Ricardo Abrantes
Ferreira, Jorge Manuel Fernandes Figueira
Keywords: Macau; Imagem Urbana; Semiótica; Cotai; Avenida Almeida Ribeiro; Macao; Urban Image; Semiotics; Cotai; Avenida Almeida Ribeiro
Issue Date: 15-Sep-2017
Serial title, monograph or event: A Avenida Almeida Ribeiro e o Cotai: Análise experiencial de duas tipologias urbanas em Macau
Place of publication or event: Departamento de Arquitetura, Universidade de Coimbra
Abstract: A obliteração e reconstrução do espaço urbano é uma narrativa sempre presente na cidade. É um ciclo contínuo que consolida as cidades e as pontua com diversas vertentes urbanísticas e arquitetónicas, decorrentes do seu tempo e da sua história. Como se sabe, Macau é o ponto de culminância entre duas das mais distintas culturas: a extremo-ocidental e a extremo-oriental e tem vivido uma transformação recente, baseada em processos de “artificialização” do seu território. Desde a apropriação da região pelos portugueses que Macau se foi erguendo em formas arquitetónicas, muitas vezes contraditórias, hipnóticas, ou mesmo cinematográficas, pontuadas pela hibridez no contacto com a sociedade chinesa, tornando-a num objeto de estudo peculiar com um carácter único.Em Macau, o radicalismo com que os objetos e as formas urbanas se modificam choca e fascina simultaneamente. Até aos anos 1960, no decorrer da soberania portuguesa, Macau resistiu à transformação acelerada mas, desde então, a construção de aterros passou a ser uma realidade. Ainda assim, apenas no final do século XX, Macau atravessou grandes transformações políticas. Em 1999, a transferência de soberania de Portugal para a China, alterou os paradigmas da região, e as mudanças começaram a fazer-se sentir em maior escala e mais aceleradamente, tanto a nível social como a nível urbano. A construção de casinos começou a surgir em força, alterando a escala da cidade, a escala da rua e as vivências da população macaense. Deste modo, existem várias formas espaciais que surgem, novos processos de percorrer a cidade e, portanto, o conceito de limite urbano é modificado.Desde então, e com cada vez mais incidência, Macau experiencia, simultaneamente, dois fatores de mudança: o crescimento económico sustentado pela indústria do jogo e o crescimento desmesurado do investimento turístico e city branding, baseados na história singular da região. Ainda assim, mantêm-se vivas as formas do “urbanismo português”, memórias de um tempo que se tenta museificar. Ambos os fatores contribuem para uma indefinição do tecido urbano, potenciando narrativas individuais e experiências espaciais diferenciadas num mesmo conjunto urbano. A imagem urbana é abordada aqui como uma construção entre forma urbana, experiências no espaço e semiótica, ambiências que pontuam a urbe. O espaço público e constituintes urbanos ganham outro significado, assumindo-se como espaços e antiespaços num mesmo tecido e adotando peculiaridades dissemelhantes.Desta forma, sob uma perspetiva percetual e experiencial, a investigação visa alcançar uma significação dos espaços públicos fragmentários da cidade, indagando sobre a sua influência na experimentação do lugar e a sua preponderância na imagem urbana de Macau, descortinando as suas complexidades morfológicas, percecionais e iconográficas, à luz do urbanismo de importação portuguesa e da Las Vegas do jogo.Estes elementos formam as contradições destas diversas “cidades” de Macau, e utiliza-se como focos de investigação dois espaços da cidade que traduzem duas épocas marcadamente diferentes: a Avenida Almeida Ribeiro e o Cotai; assumindo como objeto de estudo a experiência individual do espaço como narração de uma imagem urbana de Macau.
Obliteration and reconstruction of the urban space forms the never-ending narrative of a city: it is an uninterrupted cycle that consolidates the metropolis and punctuates it with numerous urban and architectural characteristics, arising both from its era and history. As is known, Macao is in a sense the culmination point between two of the most distinct cultures ever: the extreme western and the far eastern cultures, and it has experienced some changes due to several processes of “artificialization” of its territory. Since the territory came under Portuguese jurisdiction, Macao has been building up architectural forms, often conflicting, hypnotic, or even cinematographic, punctuated by hybrid contacts with Chinese society, making it a peculiar study subject with a unique charisma.In Macao, the radicalism attached to the fluctuations of urban objects and urban shapes can be quite shocking and mesmerizing. Until the 1960s, during Portuguese sovereignty, Macao battled against the accelerated transformation but, ever since, the incessant land reclamations became a reality. Nevertheless, only at the end of the twentieth century did Macao experience major political revolutions. In 1999, the transfer of sovereignty from Portugal to China changed paradigms in the region and fluctuations began to be felt on a larger scale, faster than ever, both socially and in urban areas. Construction of casinos began to be a strong reality, changing the scale of the city, the scale of the street and the daily experiences of Macanese population. Therefore, Macao experienced the emergence of multiple spatial forms, such as new ways to walk around the city, which changed the concept of urban boundaries in the territory.Since then, with increasing frequency, Macao has simultaneously experienced two factors of transformation: the economic growth sustained by the gaming industry and the unbalanced growth of tourism investment and city branding based on the distinctive history of the region. Nevertheless, the urban forms of “Portuguese urbanism”, memories of an era that one tries to preserve, are still kept alive. Both factors contribute to the lack of definition of the urban fabric, enhancing individual narratives and distinguishing spatial experiences in the same urban fabric. In this investigation, we explore the urban image as a concoction of the urban form, experiences in space and semiotics. Public space and urban components are shown with a different meaning, assuming themselves as spaces and antispaces, which adopt divergent peculiarities inside the same urban fabric.Accordingly, following an experiential standpoint, this research aims to reach a signification of the fragmentary public spaces of the city, investigating its influence in the perception of a place and its dominance in the urban image of Macao, revealing its morphological, perceptual and iconographic complexities, and taking the imported Portuguese urbanism and Las Vegas gaming into consideration.These elements are part of the contradictions of these several “cities” of Macao and, to achieve our goal, we study two areas of the city, which represent two evidently dissimilar historic periods: Avenida Almeida Ribeiro and Cotai, taking the individual experience of space as a narrative of an urban image of Macao as an object of study.
Description: Dissertação de Mestrado Integrado em Arquitetura apresentada à Faculdade de Ciências e Tecnologia
URI: http://hdl.handle.net/10316/81612
Rights: openAccess
Appears in Collections:UC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
InesRibeiro-A Av Almeida Ribeiro e o Cotai_DissertaçãoMestrado.pdf108.22 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

400
checked on Jan 23, 2020

Download(s) 50

370
checked on Jan 23, 2020

Google ScholarTM

Check


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons