Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/80535
Title: Fitoterapia nas infeções urinárias
Authors: Rodrigues, Ana Rita Vale 
Orientador: Gonçalves, Maria José Pinho
Keywords: Fitoterapia; Infecções urinárias; Plantas medicinais
Issue Date: Jul-2014
Abstract: As infeções do trato urinário são das patologias que maior número de visitas médicas acarreta anualmente e, apesar de afetar toda a população em geral, as mulheres apresentam uma maior predisposição tanto pela penetração na bexiga de bactérias exteriores ao organismo, como pela migração de bactérias do ânus ou da vagina. Apesar das infeções urinárias serem frequentemente assintomáticas, na maioria dos casos apresentam-se com sintomas que vão desde micção frequente ou necessidade urgente em urinar, micção dolorosa, até estados febris. Na maioria dos casos, a bactéria Escherichia coli é a responsável pela infeção, e a adesão desta bactéria é acompanhada pela ligação de lectinas expostas à superfície das suas fímbrias, aos hidratos de carbono no tecido do hospedeiro. O uso excessivo de antimicrobianos conduz a um crescente aumento das resistências, tornando emergente o uso de terapêuticas alternativas para a prevenção e tratamento deste tipo de infeções. Assim, produtos à base de plantas, como Vaccinium myrtillus L., Vaccinium macrocarpon Ait., Arctostaphylos uva-ursi (L.) Spreng, Taraxacum officinale Wiggers, Urtica dioica L. e Urtica urens L., surgem como possíveis indicações farmacêuticas, na medida em que sempre que seja possível os utentes evitarem o recurso aos antibióticos, estas terapêuticas mais suaves, para além de poderem ser usadas como profiláticas, podem também, em alguns casos, ser aconselhadas para o tratamento de infeções urinárias.
Urinary tract infections are the diseases that bring the greater number of medical visits annually and, although it affects the whole population in general, women have a greater predisposition either by the penetration on the bladder of bacteria outside the body, either by the migration of bacteria from the anus or vagina. Although urinary infections are often asymptomatic, in most cases they present symptoms ranging from frequent urination and urgent need to urinate, painful urination, to febrile. In most cases, the bacteria Escherichia coli is responsible for the infection, and the adhesion of this bacteria is accompanied by the binding of lectins to the exposed surface of their fimbriae, the carbohydrates in the host tissue. Overuse of antimicrobials leads to a significant increase of resistances, making necessary the use of alternative therapies for the prevention and treatment of such infections. Therefore, herbal medicines such as Vaccinium myrtillus L., Vaccinium macrocarpon Ait., Arctostaphylos uva-ursi (L.) Spreng, Taraxacum officinale Wiggers, Urtica dioica L. e Urtica urens L., emerge as potential pharmaceutical indications, to the extent that whenever possible users avoid the use of antibiotics, these softer treatments, in addition to be used as a prophylactic they may also, in some cases, be recommended for the treatment of urinary tract infections.
Description: Monografia realizada no âmbito da unidade de Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas, apresentada à Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/80535
Rights: openAccess
Appears in Collections:FFUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
M_ana rita rodrigues.pdf1.2 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

197
checked on Jul 17, 2019

Download(s) 50

277
checked on Jul 17, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.