Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/79694
Title: Externalties from Foreign Direct Investment: Evidence from Manufacturing Firms in Portugal
Authors: Santos, Eleonora Andrea Costa 
Orientador: Duarte, Maria Adelaide Pedrosa Silva
Simões, Marta Cristina Nunes
Keywords: firm-level data; productivity; FDI externalities; Portugal; produtividade; externalidades de IDE; indústria transformadora; manufacturing sector; convergência; convergence; economia portuguesa; portuguese economy
Issue Date: 6-Feb-2018
Citation: SANTOS, Eleonora Andrea Costa - Externalties from foreign direct investment : evidence from manufacturing firms in Portugal. Coimbra : [s.n.], 2018. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/79694
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Many countries strive to attract Foreign Direct Investment (FDI) by liberalizing their FDI regulations and providing investment incentives, including lower income taxes or income tax holidays, as well as import duty exemptions. The rationale for these policies stems from the expectation of externalities from FDI, since foreign firms possess technological advantages such as advanced know-how, marketing and managerial skills and international experience, that can be transmitted to domestic firms through different channels, and may stimulate technological changes in the host country. We draw on macroeconomic models of technology diffusion to uncover empirical patterns of externalities from FDI for the Portuguese manufacturing sector, using a new balanced panel dataset with a total of 5,045 manufacturing firms (domestic and foreign) for the period 1995-2007. Subsequently, we attempt to make policy recommendations to boost productivity and growth, through the analysis of the transitional dynamics under the real convergence process, in which the mechanism of technological catching-up allows to relate FDI with the manufacturing productivity, clustered by technological groups, following Pavitt (1984). In contrast with earlier literature for the Portuguese manufacturing sector, that find controversial results for 1996-2000, our results seem to confirm that foreign presence is positively and significantly correlated with TFP growth, but only in certain industries and depending on the size of the domestic firms. In one-period lag, we find positive externalities in small firms in scale-intensive industries, through backward linkages, (basic metals and other transport equipment) and through forward linkages (metal products). Our research highlights the fact that the heterogeneous nature of manufacturing firms and the uneven distribution of externalities across industries that entail time to occur, require the use of dynamic models with panel data disaggregated by technological groups and firm size. To pursuit our research objectives, we start by analysing the transmission mechanisms of externalities from FDI to the productivity of domestic firms, focusing on linkages with foreign customers (backward) and suppliers (forward). We focus on five Western European countries to provide a broader picture of the determinant factors of externalities from FDI in Developed Countries (DCs), through its classification, along the lines of the Theory of Heterogeneous Firms. This allows for a better understanding of the relevant variables to include in the empirical studies that focus on DCs, which are concentration, domestic and foreign R&D expenditures, scale, technological gap, and capital intensity. In addition, applying multiple imputation in Stata 13.0, we construct a database that integrates a significant number of the variables necessary to empirically investigate the existence of externalities from FDI in the Portuguese manufacturing sector. The variables, collected from AMADEUS, Quadros do Pessoal, EU Klems and OCDE databases, measure three dimensions: Total Factor Productivity; foreign presence; and variables that may influence the productivity of domestic firms, either directly or indirectly, i.e., affecting the impact of foreign presence on the Total Factor Productivity, such as indicators of firm efficiency and R&D activities, Our new panel data provides a set of useful 15 indicators for 4,685 domestic firms and 360 firms with foreign capital, in the manufacturing sector. The empirical analysis follows a two-stage strategy. First, we employ the Wooldridge-Levinshon and Petrin estimator, which is considered a robust method to estimate the TFP. Then, we regress the TFP on several explanatory variables using the system-GMM estimator that is unbiased and consistent in the presence of omitted variables and endogenous explanatory variables. Our dynamic model consider time lags up to two periods. Our analysis at the aggregate level (i.e. for the whole manufacturing sector) shows positive and significant externalities via backward and forward linkages, in one-period lag, However, we found negative horizontal externalities in the three periods, as well as negative vertical externalities, both in the current period and with a two-period lag. The analysis with industry breakdown (classified by technological groups), and controlling for firm size, showed that firms (small and large) of scale-intensive industries, and small firms in science-based industries, benefit from positive externalities. Finally, we analyse the relationship between FDI inward flows and a set of innovation (such as R&D expenditures as a percentage of GDP and the number of scientific publications) and absorptive capacity indicators (such as the GDP per capita and the number of graduates). The purpose is twofold. First, we assess whether FDI inflows, during the last 30 years of European integration, have contributed to increase the productivity, Secondly, we evaluate the efficacy of FDI policies to promote innovation and its coordination with measures aiming to promote the absorptive capacity. To promote innovation, the Investment promotion agency should continue to encourage foreign projects in traditional industries because they appear to benefit more from vertical externalities from FDI, followed by the industries where Portugal has a comparative advantage. Regarding absorptive capacity, we suggest new strategies, such as the resumption of focus on productivity and the articulation of this goal with the innovation policy to support research and education. Since, as we have proved, that real convergence is not an automatic process triggered by foreign presence, we suggest that, it can be assisted by a reinforcement of supply-side measures, with an integrated industrial policy, favouring certain industries where there is evidence of positive externalities from FDI. This is crucial because, Portugal is a small open economy that makes it vulnerable to external factors that hinder the economic growth. Since the new millennium, the country lost the backwardness advantages from which it benefited since the 1950’s. In addition, the global financial crisis led to a drop in industrial production accompanied by a reduction in FDI attraction. In this context, technology transfer, that can occur due to foreign presence, can increase the TFP and promote long-term growth, especially in the manufacturing sector, which is a driver of technological change, because it can generate high rates of innovation and drag capabilities to other sectors. Our policy recommendations regarding the kind of FDI projects to attract to the manufacturing sector represent an important contribute since, to the best of our knowledge, there are no prior attempts to perform a normative analysis of the investment promotion policy in Portugal, other than those that are inherent to the sphere of action of AICEP, which cannot be disclosed to the academic community.
Muitos países se têm empenhado em atrair Investimento Direto Estrangeiro (IDE), liberalizando a sua legislação sobre investimento estrangeiro e concedendo incentivos aos projetos de investimento estrangeiro, incluindo benefícios fiscais. A razão para essas políticas decorre da expectativa de ocorrência de externalidades de IDE, uma vez que as empresas estrangeiras possuem vantagens tecnológicas, como conhecimentos, capacidades de marketing e de gestão e experiência internacional, que podem ser transmitidas para as empresas nacionais, através de diferentes canais e podem estimular a mudança tecnológica no país hospedeiro. Nós baseamo-nos em modelos macroeconómicos de difusão tecnológica para revelar os padrões empíricos de externalidades do IDE na industria transformadora portuguesa, utilizando um novo conjunto de dados em painel balanceado, com um total de 5.045 empresas (nacionais e estrangeiras) para o período 1995-2007. Posteriormente, tentamos fazer recomendações de política tendentes ao aumento da produtividade e ao crescimento económico, através da análise da dinâmica de transição no processo de convergência real, em que o mecanismo de recuperação tecnológica permite relacionar o IDE com a produtividade, agrupada por grupos tecnológicos, de acordo com Pavitt (1984). Em contraste com a literatura anterior para a industria transformadora portuguesa, que revela resultados controversos para o período 1996-2000, os nossos resultados parecem confirmar que a presença estrangeira está correlacionada positiva e significativamente com o crescimento da produtividade total dos fatores, mas apenas em certas indústrias e dependendo do tamanho das empresas nacionais. Com um desfasamento de um período, encontramos externalidades positivas em pequenas empresas nas indústrias escala-intensivas, através de ligações para trás (metais básicos e outro equipamento de transporte) e através de ligações para a frente (produtos metálicos). A nossa pesquisa destaca o fato de que a natureza heterogénea das empresas da industria transformadora, a distribuição desigual de externalidades entre indústrias, e o fato das externalidades requererem algum tempo para se materializarem, requer a utilização de modelos dinâmicos com dados em painel e uma análise desagregada por grupos tecnológicos e dimensão das empresas. Visando a prossecução dos nossos objetivos de pesquisa, começamos por analisar os mecanismos de transmissão de externalidades do IDE para a produtividade das empresas nacionais, com foco nas ligações com clientes (ligações para trás) e fornecedores estrangeiros (ligações para a frente). Nós concentramo-nos em cinco países da Europa Ocidental, com vista a fornecer uma imagem mais ampla dos fatores determinantes das externalidades do IDE em países desenvolvidos, através da sua classificação, de acordo com a Teoria das Empresas Heterogéneas. Tal permite uma melhor compreensão das variáveis relevantes a incluir nos estudos empíricos que se concentram nos países desenvolvidos, e que são: a concentração, as despesas em I&D (de empresas nacionais e estrangeiras), a escala, o hiato tecnológico e a intensidade capitalística das empresas. Além disso, utilizando imputação múltipla no Stata 13.0, construímos uma base de dados que integra um número significativo de variáveis necessárias para investigar empiricamente a existência de externalidades de IDE na indústria transformadora Portuguesa. As variáveis, recolhidas das bases de dados AMADEUS, Quadros do Pessoal, EU Klems e OCDE, medem três dimensões: produtividade total dos fatores (PTF), presença estrangeira e variáveis que podem influenciar a produtividade das empresas nacionais, direta ou indiretamente, ou seja, afetando o impacto da presença estrangeira na PTF, tais como indicadores de eficiência da empresa e atividades de I&D. Os nossos dados em painel fornecem um conjunto de 15 indicadores úteis para 4.685 empresas nacionais e 360 empresas com capital estrangeiro, na industria transformadora. A análise empírica segue uma estratégia de duas etapas. Primeiro, utilizamos o estimador Wooldridge-Levinshon e Petrin, que é considerado um método robusto para estimar a PTF. Em seguida, regredimos a PTF em diversas variáveis explicativas usando o estimador SYS-GMM que é não-enviesado e consistente na presença de variáveis omitidas e variáveis explicativas endógenas. O nosso modelo dinâmico contempla desfasamentos temporais até dois períodos. A nossa análise ao nível agregado (i.e, para o conjunto dos ramos da indústria transformadora) permitiu encontrar resultados positivos e significativos, com um desfasamento temporal de um período, através de ligações para trás e de ligações para a frente. No entanto, encontramos externalidades horizontais negativas nos três períodos considerados, bem como externalidades verticais negativas, quer no período corrente, quer com um desfasamento de dois períodos. A analise empírica com desagregação por industrias (classificadas por grupos tecnológicos), e controlando a dimensão das empresas, revelou que as empresas (pequenas e grandes) das indústrias escala-intensivas, e as pequenas empresas em indústrias baseadas na ciência, beneficiam de externalidades positivas significativas. Finalmente, analisamos a relação entre os fluxos de entrada de IDE e um conjunto de indicadores de inovação (como as despesas de I&D em percentagem do PIB e o número de publicações científicas) e indicadores de capacidade de absorção (como o PIB per capita e o número de licenciados). O nosso objetivo é duplo. Primeiro avaliamos se os fluxos de entrada de IDE, nos últimos 30 anos de integração europeia, contribuíram para aumentar a produtividade. Em segundo lugar, avaliamos a eficácia das políticas de IDE para promover a inovação e a sua coordenação com medidas destinadas a promover a capacidade de absorção. Para promover a inovação, a agência de promoção de investimentos (AICEP) deverá continuar a encorajar os projetos de investimento estrangeiro nas indústrias tradicionais, porque estas parecem beneficiar mais de externalidades verticais do IDE, seguidas pelas indústrias onde Portugal possui uma vantagem comparativa. Em relação à capacidade de absorção, sugerimos novas estratégias, como a retoma do foco na produtividade e a articulação desse objetivo com a política de inovação para apoiar a investigação e a educação. Como provamos que a convergência real não é um processo automático desencadeado pela presença estrangeira, sugerimos que o processo de convergência deve ser assistido por um reforço das medidas do lado da oferta, com uma política industrial integrada, favorecendo certos ramos da indústria transformadora onde há evidências de externalidades positivas do IDE. Isto é crucial porque, Portugal é uma pequena economia aberta que a torna vulnerável a fatores externos que impedem o crescimento económico. Desde o novo milénio, o país perdeu as vantagens de atraso de que tinha vindo a beneficiar desde a década de 1950. Além disso, a crise financeira global levou a uma queda na produção industrial, acompanhada por uma redução na atração de IDE. Neste contexto, a transferência de tecnologia que pode ocorrer devido à presença estrangeira pode contribuir para o aumento da PTF e promover o crescimento económico a longo prazo, em particular, na industria transformadora, que é um setor motor de mudança tecnológica, na medida em que tem capacidade para gerar elevadas taxas de inovação e possui capacidade de arrasto para outros setores da economia. As nossas recomendações de política quanto ao tipo de projetos de IDE que devem ser captados para a industria transformadora constituem um importante contributo. Tanto quanto é do nosso conhecimento, não existem tentativas anteriores de realizar uma análise normativa da política de promoção de investimentos em Portugal, além daquelas inerentes à esfera de ação da AICEP, que não podem ser divulgadas para a comunidade académica.
Description: Tese de doutoramento em Economia, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/79694
Rights: embargoedAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat Login
Externalties from Foreign Direct Investment.pdf4.89 MBAdobe PDFEmbargo Access    Request a copy
Show full item record

Page view(s)

139
checked on Sep 18, 2019

Download(s)

32
checked on Sep 18, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.