Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/79389
Title: Estudo auxológico e ecológico da coordenação motora de crianças em idade pré-puberal
Authors: Luz, Leonardo Gomes de Oliveira 
Orientador: Silva, Manuel João Coelho e
Seabra, André
Padez, Cristina
Keywords: criança; coordenação motora; crescimento; maturação somática; atividade física; aptidão física; fatores sociais; ambiente construído
Issue Date: 13-Jul-2017
Citation: LUZ, Leonardo Gomes de Oliveira - Estudo auxológico e ecológico da coordenação motora de crianças em idade pré-puberal.Coimbra : [s.n.], 2017. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/79389
Place of publication or event: Coimbra
Abstract: Recentemente, estudos de revisão têm confirmado que a coordenação motora apresenta uma associação positiva com a prática de atividade física e com a aptidão física relacionada à saúde em população pediátrica. Além disso, o nível inicial de coordenação motora está associado às alterações subsequentes no nível de atividade física durante a infância e a adolescência. Entre os instrumentos de avaliação da coordenação motora, destaca-se o Körperkoordinationstest für Kinder – KTK. O KTK tem sido bastante usado em estudos relacionados aos benefícios da coordenação motora sobre variáveis relacionadas à saúde da população pediátrica. Destes, destacam-se, pelo seu maior número, os trabalhos que tiveram como objetivo associar o desempenho motor na bateria KTK com variáveis biológicas do indivíduo. A presente tese de doutoramento teve como objetivo explorar a contribuição das características biológicas, do estilo de vida, dos fatores sociais e ambientais para explicar a variabilidade inter-individual em crianças pré-púberes, de ambos os sexos (de 7 a 9 anos de idade), nos aspectos relacionados ao desempenho motor, especificamente quanto ao desempenho em teste de coordenação motora. Os achados apontam para a seguinte direção: a) há uma tendência de relação positiva entre maiores valores de índice de massa corporal (IMC) e menores resultados de desempenho no KTK em crianças e adolescentes; b) a maturação biológica exerce pouco efeito sobre as diferenças entre os sexos nos diferentes desempenhos em testes físicos e de coordenação motora em crianças com idades entre 8 e 9 anos. Contudo, o estado maturacional parece contribuir nas diferenças inter-individuais encontradas em sujeitos do mesmo sexo tanto em alguns dos testes de aptidão física (meninos e meninas), quanto na coordenação motora (especificamente no sexo masculino); c) há indícios de que o estado maturacional, embora em pequena proporção, apresenta relação com o desempenho do KTK em crianças pré-púberes do sexo masculino, notadamente pela relação inversa e de magnitude moderada que obteve com a prova de equilíbrio em marcha à retaguarda. Contudo, em estudos cuja performance no KTK seja avaliada através da obtenção do quociente motor total, este efeito pode tornar-se pouco substancial; d) parece haver um efeito direto da maturação no tamanho do corpo, que por sua vez estabelece uma inter-relação positiva com a aptidão física em meninas, principalmente nos testes em que a massa corporal não é deslocada; e) o melhor desempenho em teste de coordenação motora parece estar associado aos fatores biológicos, mas a associação tende a aumentar com a adição de atributos de estilo de vida, fatores sociais e fatores ambientais em ambos os sexos. A inspeção do modelo de regressão logística que incluiu variáveis dos quatro domínios indicou que nos meninos os melhores resultados de coordenação motora foram associados à idade (9 anos), ao estado de maturação biológica (atrasados), à massa corporal (normoponderais), à escolaridade da mãe (graduação) e à área de residência da família (urbana). Nas meninas, parece que a idade (9 anos), a massa corporal (normoponderais), a participação esportiva e a atividade física materna (suficientemente ativa) estiveram relacionadas com os melhores resultados de coordenação motora. Os resultados apontaram para uma contribuição da biologia por se para explicar a variabilidade inter-individual na coordenação motora e, paralelamente, revelaram matrizes de determinantes distintas para cada sexo. Em conclusão, durante a primeira década de vida, em particular nos anos de educação primária, as diferenças entre meninos e meninas podem ser uma consequência de fatores morfológicos, biológicos, culturais e ambientais. A compreensão dos aspectos relacionados às características de uma intervenção, que tenha como propósito desenvolver a coordenação motora de crianças, requer a revisão sistemática dos seus preditores e a maneira específica como associam-se em ambos os sexos. Foi neste contexto que a presente tese de doutoramento foi inserida, na medida em que os modelos ecológicos são úteis para enquadrar potenciais fatores que influenciam o comportamento da saúde, pois enfatizam os contextos ambientais do comportamento, bem como as influências sociais. Isso pode levar a uma compreensão aprofundada das múltiplas esferas de influência sobre o comportamento motor e pode ajudar a orientar o desenvolvimento da intervenção que tenha como objetivo a melhoria da coordenação motora.
Description: Tese de doutoramento em Ciências do Desporto, no ramo de Atividade Física e Saúde, apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/79389
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Doutoramento

Show full item record

Page view(s)

145
checked on Oct 16, 2019

Download(s)

126
checked on Oct 16, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.