Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/41167
Title: Zimpeto: O mercado abastecedor da arte de pensar e o Museu de Reinata que é ou não uma mulher emancipada? (porque ninguém se lembraria de perguntar se a Paula Rego é ou não uma mulher emancipada)
Authors: Cunha, Teresa 
Keywords: Género; Colonialismo; Feminismo; Pós-colonialismo
Issue Date: 2010
Publisher: Centro de Estudos Sociais
Abstract: NEVER TRUST WOMEN mantinha as suas qualidades fosforescentes a qualquer hora do dia ou da noite. A frase colada no vidro traseiro do chapa - NEVER TRUST WOMEN – impõe, persistentemente à rota entre o Museu e o Zimpeto, a evocação da rebeldia e da suspeita de que a cada opressão se segue uma fúria e a transgressão. Neste trabalho procuro ensaiar e dar corpo ao conceito de aprender com o Sul, no sentido de encontrar outros ângulos de compreensão e de teorização – de retaguarda - sobre feminismos e a emancipação, exercitando uma epistemologia pós-colonial. Com base no trabalho de campo realizado em Maputo em 2008 e 2009 com vendedeiras e lideranças femininas dos mercados informais e de associações de base popular, tenho como objectivos, por um lado, discutir aquilo que designo pela poli-racionalidade da emancipação das mulheres, e por outro lado, a importância das capulanas tecidas, a urdidura que sustenta e faz a teia; os fios que vão e voltam, unindo na desigualdade de cores, texturas, grossuras e desenhos. A pluri-versatilidade de projectos de emancipação ou de conseguimentos emancipatórios das mulheres coloca-me um conjunto de questionamentos que pretendo reflectir e tematizar: a) O que fazer com a pretensão de uma teoria universal da emancipação das mulheres com base no atávico e planetário patriarcado?; b) Como lidar, sem desperdiçar a herança e subversão que aí também está contida, com as categorias gerais da emancipação das mulheres e o processo narrativo que lhe corresponde?; c) Procurar, reconhecer e pensar, como emancipatórias, experiências díspares, diferentes, não-alinhadas, demasiado locais, demasiado biográficas não pode resultar numa fractura conservadora e de reforço da hegemonia masculina? A reflexão sobre estes três questionamentos suscita-me um ensaio teorizador com base nas seguintes ferramentas: a) Uma Sociologia dos Resgates que pensa o lugar do passado no presente e a ecologia da enunciação da emancipação - porque esta tem que ser compreensível, concreta e resultar na felicidade das pessoas; b) Uma Sociologia da Ambiguidade que sustente e suporte percursos e projectos desalinhados e incertos quanto aos métodos e aos resultados; c) Uma Sociologia das Caixas de Ressonância que pensa as formas de amplificação de cada uma das vozes e gritos para que nenhuma pessoa se possa sentir desamparada; procura formas e teares simbólicos, imateriais e físicos de união, cooperação, questionamento e compaixão.
URI: http://hdl.handle.net/10316/41167
ISSN: 2182-9187
Rights: openAccess
Appears in Collections:I&D CES - Vários

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Zimpeto O mercado abastecedor da arte de pensar e o Museu de Reinata.pdf86.64 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

268
checked on Jul 16, 2019

Download(s)

77
checked on Jul 16, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.