Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/32107
Title: Como se constrói um clássico? Vozes Anoitecidas e Cada homem é uma raça, de Mia Couto: um estudo de caso numa “literatura emergente”
Authors: Souto, Rinah de Araújo 
Orientador: Silvestre, Osvaldo Manuel Alves Pereira
Keywords: clássico; literatura emergente; biblioteca colonial; literatura moçambicana; Mia Couto; espaço e violência; emerging literature; colonial library; Mozambican literature
Issue Date: 16-Mar-2017
Citation: SOUTO, Rinah de Araújo - Como se constrói um clássico? : Vozes Anoitecidas e Cada homem é uma raça, de Mia Couto : um estudo de caso numa literatura emergente. Coimbra : [s.n.], 2017. Tese de doutoramento. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/32107
Abstract: Neste estudo pretendemos discutir o conceito de “clássico” em contexto pós-colonial através de um estudo de caso, nomeadamente a literatura moçambicana, com ênfase nos dois primeiros livros de contos do escritor moçambicano Mia Couto: Vozes Anoitecidas e Cada homem é uma raça. Ambas as obras foram publicadas em um período de Guerra Civil no país. A tese visa ainda pôr em causa o processo de construção das obras já referidas enquanto “clássicas” estabelecendo, para tanto, o diálogo com os estudos sobre o termo “clássico” de Coetzee, Fortini, Eliot, Borges, Calvino, Sainte-Beuve, Kermode, além de destacar a relação existente entre o “clássico” e as instituições de ensino, a partir da verificação do lugar ocupado por Mia Couto nos curricula dos cursos de Letras de universidades brasileiras, enfatizando as possíveis razões que fazem desse autor um clássico no contexto das literaturas africanas escritas em português. Para tanto, foram realizadas entrevistas com dez docentes de literaturas africanas de universidades brasileiras; editores das obras miacoutianas, no Brasil e em Portugal, e com a leitora responsável pela administração da página do autor em uma conhecida rede social. Será convocada a categoria do espaço, tanto do ponto de vista geopolítico quanto cultural, respectivamente, uma vez que nos propomos a discutir os pós-colonialismos em contexto português, brasileiro e africano (Santos, 2006) e o espaço Atlântico Sul (Alencastro, 2000) bem como o espaço enquanto focalização, categoria de análise literária, em leituras propostas para quatro contos extraídos dos livros que compõem o corpus desta tese, nomeadamente: “O dia em que explodiu Mabata-bata”, “A menina do futuro torcido”, “O apocalipse privado do tio Geguê” e “A Rosa Caramela”. Outras categorias de análise são convocadas: a violência, com ênfase em René Girard (1990), e a violência que as colonialidades engendram (Quijano, 2009). Do ponto de vista teórico, os pressupostos da antropologia literária (Iser, 1996) nortearão igualmente a reflexão sobre o clássico e a análise dos contos. No primeiro caso, o lugar de destaque do leitor, do ser humano, na configuração do estatuto do clássico. E, no segundo caso, a violência como disposição humana evidenciada em situações coloniais e pós-coloniais. Estamos cientes de que o “clássico” é um locus permanente de mudança e circula por vários espaços-tempos distintos. Por isso, a nossa pesquisa circundará, sobretudo, as seguintes questões: o que significaria pensar a construção do clássico numa literatura emergente, nomeadamente a moçambicana: cair nas armadilhas da “biblioteca colonial” (Mudimbe, 1994) ou, para além disso, favoreceria o desenvolvimento de outros paradigmas críticos no âmbito da compreensão desse conceito? Quais novas conotações o conceito de clássico pode assumir em contexto pós-colonial e quais as razões que levam Mia Couto a ser destaque no cânone das literaturas de língua portuguesa?
This study aims at discussing the concept of "classic" in a postcolonial context through a case study, namely Mozambique literature, with emphasis on the first two books of the Mozambican short stories writer Mia Couto: Vozes Anoitecidas and Cada homem é uma raça. Both books were published in a period of Civil War in that country. The thesis also analyzes the process of construction of the work as "classical", establishing a dialog with studies about the term "classic" of Coetzee, Fortini, Eliot, Borges, Calvino, Sainte-Beuve, Kermode, besides highlighting the relationship between the "classic" and educational institutions, by verifying the place occupied by Mia Couto in the curriculum of Languages courses in Brazilian universities, emphasizing the possible reasons to make this author a classical in the context of African literature written in Portuguese. To achieve that, ten interviews were conducted with African literature professors at Brazilian universities; editors of Mia Couto works in Brazil and Portugal, and with the reader responsible for managing the author's page in a well known social network. The category of space is explored in this thesis from a geopolitical perspective and also a cultural perspective, since we proposed to discuss the postcolonialism in the Portuguese, Brazilian and African context (Santos, 2006) and the South Atlantic space (Alencastro, 2000) as well as the space as focalization, literary analysis category in writings proposed for the four short stories, extracted from the books that are the corpus of this thesis, namely: “O dia em que explodiu Mabata-bata”, “A menina do futuro torcido”, “O apocalipse privado do tio Geguê” and “A Rosa Caramela”. Other categories of analysis used were: the violence, with emphasis in René Girard (1990) and the violence the colonialities generate (Quijano, 2009). From a theoretical point of view, the literary anthropological conjecture (Iser, 1996) will guide the reflexion about the classic and the analysis of the short stories. In the first case, the eminent place of the reader, the human being in the classic statue configuration. And, in the second case, the violence as human inclination, seen in colonial and postcolonial situations. We are aware that the "classic" is a locus permanent of change and it circulates in many distinct spaces and times. Therefore, our research will focus in the following questions: what would it mean to think the construction of classic in an emerging literature, specifically the Mozambican: falling into the trap of “colonial library” (Mudimbe, 1994) or, beyond that, would it favor the development of other critical paradigms in the scope of comprehending this concept? Which new connotations the concept of classic can take over in a postcolonial context, and what reasons take Mia Couto to standout in portuguese language literature?
Description: Tese de doutoramento em Literatura de Língua Portuguesa, na especialidade de Investigação e Ensino, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10316/32107
Rights: openAccess
Appears in Collections:FLUC Secção de Português - Teses de Doutoramento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Como se constrói um clássico.pdf2.3 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 50

381
checked on May 14, 2019

Download(s) 10

1,109
checked on May 14, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.