Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/31028
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCravo, Teresa-
dc.contributor.authorOliveira, Ricardo Miguel Palmela de-
dc.date.accessioned2016-04-13T11:39:48Z-
dc.date.available2016-04-13T11:39:48Z-
dc.date.issued2016-02-26-
dc.identifier.citationOliveira, Ricardo Miguel Palmela de - O papel das redes sociais no conflito israelo-palestiniano : o caso da ofensiva militar em Gaza em 2014, Coimbra 2016.por
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10316/31028-
dc.descriptionDissertação de mestrado em Relações Internacionais, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Teresa Almeida Cravo.por
dc.description.abstractO crescimento das redes sociais nos últimos anos trouxe novas oportunidades de comunicação entre instituições e os seus públicos-alvo. Ao mesmo tempo, entidades estatais viram estas plataformas como um meio para levar a cabo as suas estratégias de comunicação com os seus cidadãos. De que forma podem estas redes ser utilizadas como mais um meio ou complemento para fins de propaganda político-militar durante um conflito armado? Como podem estas novas plataformas servir de instrumento adicional a processos de securitização? A Escola de Copenhaga dos Estudos de Segurança propõe um quadro de análise para estudar processos de securitização através da construção de um ato discursivo. Porém, deixa por analisar a influência dos meios de comunicação nos processos de securitização e os efeitos destes nas suas audiências alvo. Recorrendo às teorias do Agendamento e Enquadramento em Comunicação Social, já é possível analisar o impacto mediático de determinado assunto na opinião pública. Em 2014, durante a Guerra de Gaza, ou Operação “Protective Edge”, Israel utilizou as redes sociais como meio para legitimar e justificar as suas ações militares. As Forças de Defesa Israelitas (FDI), construíram um discurso securitário com a ajuda de novas ferramentas online como o Facebook, Instagram, Twitter, Youtube e entre outras. Esta dissertação analisa a construção desse discurso à luz do quadro proposto pela Escola de Copenhaga, medindo também o seu impacto mediático no público-alvo. Procedeu-se à análise de conteúdos publicados com base numa amostra que corresponde a três das plataformas geridas pelas FDI em língua inglesa: o Facebook, Twitter e Youtube de forma a perceber como o processo de securitização foi construído no decorrer do conflito. Foram contabilizados no total 1718 tweets, 359 posts no Facebook e 182 vídeos no Youtube, num período de análise entre 7 de junho a 26 de setembro de 2014, englobando o período do conflito, um mês antes e um mês depois. Procedeu-se à análise do volume de publicações por ordem cronológica e à categorização de palavras por temas com base nos termos de unidades de análise da Escola de Copenhaga de forma a entender melhor como o processo de securitização foi levado a cabo. Para medir o impacto mediático, recorreu-se a plataformas de estatística online que avaliam o desempenho de redes sociais através do feedback dos seus utilizadores. Foram feitas comparações do desempenho das páginas relativamente a outro conflito, a Operação “Pillar of Defense” de 2012 e a um ano sem intervenções militares: 2013. Por fim, procedeu-se à medição do impacto do processo de securitização na população israelita com base em inquéritos realizados pelo think tank “Israel Institute of Democracy” e por jornais nacionais sobre a aprovação da operação militar e do executivo de Benjamim Netanyahu, governo no poder durante o período em análise. Conclui-se que as FDI apostaram nas redes sociais enquanto meio para difusão da sua estratégia militar, registando um aumento de atividade online e de audiências. São tiradas ilações sobre a forma como estes novos meios de comunicação podem reforçar a divulgação de uma mensagem específica em relação aos existentes em processos de securitização.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherFEUCpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectIsraelpor
dc.subjectEscola de Copenhagapor
dc.subjectRedes sociaispor
dc.subjectComunicação socialpor
dc.subjectEstudos de segurançapor
dc.titleO papel das redes sociais no conflito israelo-palestiniano : o caso da ofensiva militar em Gaza em 2014por
dc.typemasterThesispor
dc.peerreviewedYespor
uc.controloAutoridadeSim-
item.fulltextCom Texto completo-
item.languageiso639-1pt-
item.grantfulltextopen-
crisitem.advisor.deptFaculdade de Economia, Universidade de Coimbra-
crisitem.advisor.researchunitCentre for Social Studies-
crisitem.advisor.parentresearchunitUniversidade de Coimbra-
crisitem.advisor.orcid0000-0002-8508-9926-
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado
Files in This Item:
File Description SizeFormat
folha de rosto.pdf186.81 kBAdobe PDFView/Open
tese ricardo oliveira 2016.pdf3 MBAdobe PDFView/Open
Show simple item record

Page view(s) 1

1,964
checked on Jul 6, 2020

Download(s) 20

1,472
checked on Jul 6, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.