Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/29676
Title: A afirmação militar da União Europeia : a arquitetura de gestão de crises e a capacidade de comando e controlo
Authors: Ferreira, José Alberto Martins 
Orientador: Rodrigues, Daniel Marcelino
Keywords: União Europeia; Institucionalismo; Operational Headquarters; Force Headquarters; Battle Group
Issue Date: 20-Jul-2015
Publisher: FEUC
Citation: Ferreira, José Alberto Martins - A afirmação militar da União Europeia : a arquitetura de gestão de crises e a capacidade de comando e controlo, Coimbra, 2015.
Abstract: O Conselho Europeu de 19 e 20 de Dezembro de 2013 exortou os Estados Membros a aprofundarem a cooperação no domínio da defesa, aumentando a sua capacidade para conduzir missões e operações, salientando também a necessidade de melhorar as capacidades de resposta rápida da União Europeia (UE), através dos Battle Groups mais flexíveis e projetáveis. No âmbito da gestão de crises, a projeção rápida e eficaz dos meios civis e militares e a melhoria das capacidades de resposta rápida da UE depende do desenvolvimento da cooperação militar entre os estados membros e de uma maior institucionalização da sua dimensão militar, transferindo parte da sua soberania e legitimidade para o nível supranacional. A implementação de um Quartel General de nível militar estratégico permanente (Operational Headquarters) no Estado Maior da União Europeia dará à UE a coerência horizontal, entre a sua arquitetura institucional e os seus aparelhos burocráticos e, a criação de um Quartel General permanente de nível militar operacional (Force Headquarters) ou de vários, dependendo da vontade de cooperar dos 28 estados membros, a coerência vertical, com uma total integração entre ambos as estruturas de comando e controlo, dotadas de pessoal qualificado e disponível para planear, coordenar e comandar aos diferentes níveis, facilitando a cooperação institucional e a capacidade de resposta rápida da União Europeia. O conceito de Battle Group necessita de ser revisitado na sua vertente estrutural e operacional, devendo ser assumido desde o início da fase de preparação que o Battle Group, é uma Força Conjunta e Combinada que tem de estar preparada para executar operações conjuntas e combinadas em prazos muito curtos, o que terá implicações em toda a metodologia de planeamento, preparação, aprontamento, avaliação, certificação e projeção dos Battle Groups. Com o Tratado de Lisboa os mecanismos institucionais de cooperação existem, mas a sua aplicação prática será o resultado dum compromisso entre o método comunitário e o intergovernamental, que será certamente influenciado pelo papel central dos líderes atuais e futuros.
Description: Dissertação de mestrado em Relações Internacionais (Estudos Europeus), apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Daniel Marcelino Rodrigues.
URI: http://hdl.handle.net/10316/29676
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Dissertação Mestrado_José Ferreira.pdf3.51 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

580
checked on Aug 5, 2020

Download(s) 50

518
checked on Aug 5, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.