Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/22004
Title: Associação entre a força isocinética a duas velocidades e o volume apendicular : avaliação em jovens voleibolistas
Authors: Marques, Carlos Alberto Soares Ribeiro 
Orientador: Vaz, Vasco
Santos, João Valente dos
Keywords: Voleibol; Força isocinética; Maturação; Crescimento
Issue Date: 2012
Keywords: Voleibol; Força isocinética; Maturação; Crescimento
Issue Date: 2012
Citation: MARQUES, Carlos Alberto Soares Ribeiro - Associação entre a força isocinética a duas velocidades e o volume apendicular : avaliação em jovens voleibolistas. Coimbra : [s.n.], 2012. Dissertação de mestrado. Disponível na WWW: http://hdl.handle.net/10316/22004
Abstract: O presente estudo considerou a análise da relação existente entre a força isócinética a duas velocidades, o volume apendicular, a idade cronológica, a maturação biológica e a experiência de prática desportiva. Foram observadas 26 voleibolistas (amplitude etária: 14.3 aos 18.8 anos) do sexo feminino a competir nos campeonatos nacionais dos respetivos escalões. Foram consideradas variáveis morfológicas, indicadores de maturação biológica (maturity offset) a quantidade de prática anual (minutos de treino e experiência desportiva (número de anos de prática federada na modalidade) e determinamos o momento máximo de força avaliada no dinamómetro isocinético nas velocidades angular de 60º/seg-1 e 180º/seg-1. A análise de dados considerou a estatística descritiva geral (parâmetros de tendência central e dispersão) e o estudo associado aos subgrupos de interesse (estatuto maturacional e posição táctica específica). A análise de dados considerou, inicialmente, a estatística descritiva (parâmetros de tendência central e dispersão).Recorreu-se à correlação de Pearson para estudar a associação entre os outputs de momento máximo da força, o grau e os indicadores de morfologia externa, maturação biológica e a quantidade de prática anual. O nível de significância foi mantido em 5%. Foram observadas correlações significativas entre o momento máximo de força avaliado a 60º/seg -1 em flexão e a massa corporal (r=+0.44, p≤0.05), estatura (r=+0.43, p≤0.05) e volume da coxa (l) (r=+0.48, p≤0.01). Para a velocidade de 180º/seg-1 em extensão a correlação com a maturação (Maturity offset) (r=+0.42, p≤0.05), anos de treino (r=+0.44, p≤0.05) massa corporal (r=+0.43, p≤0.05), estatura (r=+0.43, p≤0.05), parte constituído pelo volume dos músculos referidos anteriormente. Os resultados identificam correlações elevadas entre a área transversal do músculo e o momento máximo de flexão considerando uma velocidade de 60º/seg-1 -. Existindo também uma relação entre os testes levados a cabo em dinamómetro isocinético, o estatuto maturacional e os anos de treino quando avaliados a 180º/seg -1.
Description: Dissertação de mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens (Ciências do Desporto), apresentada à Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra.
URI: http://hdl.handle.net/10316/22004
Rights: openAccess
Appears in Collections:FCDEF - Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
TESE MESTRADO CARLOS MARQUES.pdf628.41 kBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s)

152
checked on Aug 13, 2019

Download(s) 50

155
checked on Aug 13, 2019

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.