Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316/15725
Title: "A Barraca do Rui" : os laços sociais no fenómeno dos sem-abrigo
Authors: Aldeia, João Miguel Marques Alves 
Orientador: Portugal, Sílvia
Issue Date: 19-Jul-2011
Publisher: FEUC
Citation: Aldeia, João Miguel Marques Alves -"A Barraca do Rui" : os laços sociais no fenómeno dos sem-abrigo. Coimbra, 2011
Abstract: A presente dissertação procura compreender o papel dos laços sociais no fenómeno dos sem-abrigo. Epistemologicamente, a investigação enquadra-se num modelo reflexivo de ciência, assente num diálogo triplo: entre sujeito-investigador e sujeito-cuja-vida-é-investigada; entre a micro-realidade estudada e os macro-processos que, de modo circular, a influenciam e são por ela influenciados; e entre a empiria e a teoria, no sentido da sua reconstrução crítica em aproximação ao real. Deste enquadramento geral parte-se para a crítica do regime de verdade que domina as representações e acções dos elementos da sociedade domiciliada sobre quem vive na rua. Para ligar o modelo epistemológico geral à teoria mobilizada, recorre-se a uma visão figuracional que realça os processos pelos quais os vários níveis de integração e complexidade sociais se interpenetram. De um ponto de vista teórico, mobiliza-se o modelo das zonas de coesão social, entendendo o fenómeno dos sem-abrigo como processo de desafiliação. Olha–se, no entanto, para as múltiplas afiliações presentes na vida dos indivíduos sem-abrigo. A partir desta localização epistemológica e teórica, a biografia de Rui Botelho é interpretada como caso exemplar. Observam-se os pontos de inflexão ocorridos na sua vida, maioritariamente marcados por um aumento da precariedade, vulnerabilidade e pobreza que a localização na zona de desafiliação comporta. Observam-se os laços e as mudanças, produzidas pelas inflexões, na protecção e no reconhecimento que os laços garantiam. Deparamo-nos com uma protecção ausente ou reduzida e com um reconhecimento negado por todos os actores que não aqueles que se localizam também na zona de desafiliação. Este status quo leva a que Rui reivindique mais protecção, de modo a que possa aceder à habitação, e, sobretudo, que o reconheçam como cidadão e ser humano e não como «sem-abrigo». A importância dos laços é grande, mas é-o num plano representacional, que se prende com o que Rui considera que cada laço lhe deveria garantir e não garante, criando, assim, uma sensação de indignação pelo que é percebido como uma injustiça sempre presente na vida na rua. Viver na rua pode levar à eliminação de laços particulares, mas também à sua criação. Sobretudo, origina uma reconfiguração de laços de diferentes tipos. Apesar da maioria dos laços negar reconhecimento e de nenhum deles fornecer uma protecção significativa, eles estão bem presentes na zona de desafiliação em que Rui vive.
Description: Dissertação de mestrado em Sociologia, apresentada à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob a orientação de Sílvia Portugal.
URI: http://hdl.handle.net/10316/15725
Rights: openAccess
Appears in Collections:FEUC- Teses de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat
Tese João Aldeia.pdf13.98 MBAdobe PDFView/Open
Show full item record

Page view(s) 20

558
checked on Sep 22, 2020

Download(s) 20

872
checked on Sep 22, 2020

Google ScholarTM

Check


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.